Paraná deve produzir 38,6 milhões de toneladas de grãos na safra 2020/21

O relatório mensal do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, indica que a safra 2020/2021 no Paraná deve gerar um volume de 38,6 milhões de toneladas de grãos em uma área de 10,4 milhões de hectares. Esse índice de produção representa 6% menos do que o produzido na safra 2019/2020, em uma área 3% maior.

De acordo com os dados deste mês, adversidades climáticas como a seca e, mais recentemente, as geadas, impactaram no desenvolvimento das principais culturas do Estado, como o milho e o feijão. Essas dificuldades também resultaram em um alto custo de produção para os agricultores.

Além da seca, a redução das expectativas de produção decorre do atraso na semeadura da safra de soja e na semeadura da safrinha de milho.

MILHO SEGUNDA SAFRA – No início da safra, a expectativa era de que o Paraná produzisse um volume de 14,7 milhões de toneladas. Mas as perdas no campo foram significativas. Até o momento, aproximadamente 30% da safra foi perdida – cerca de 4,4 milhões de toneladas – , o que gera preocupação, inclusive, quanto ao abastecimento.

Agora, a produção esperada é de cerca de 10,3 milhões de toneladas. Esse volume é 13% menor do que o colhido na safra passada. A área está estimada em 2,5 milhões de hectares, 9% superior à do ciclo anterior. As principais regiões produtoras do Estado, como o Norte e o Oeste, já apontaram perdas altas, em torno de 1,5 milhão em cada uma.

As razões para a redução da estimativa da safra de milho são principalmente a estiagem em fases decisivas para o desenvolvimento das plantas. Em decorrência do clima, doenças e pragas também contribuíram para a expectativa de uma menor produção.

No entanto, os produtores estão bem remunerados. Os preços recebidos pela saca de 60 kg de milho fecharam o mês de maio em R$ 91,38, contra R$ 90,13 na média de abril. O atual valor representa um aumento de 127% comparativamente ao mês de maio de 2020, quando o produtor recebia, em média, R$ 40,21 pelo produto.

Devido à quebra, o Paraná tende a importar um volume maior de milho do que no ano passado, mas já é, tradicionalmente, o maior importador do produto no país. Ao longo de 2020, o Paraná comprou 730 mil toneladas. Apenas de janeiro a maio de 2021, o volume de importação foi de 530 mil toneladas.

TRIGO – O plantio do trigo avançou para 58% nesta semana, percentual dentro da média para o mesmo período nos cinco últimos anos. A projeção de área foi revista para 1,17 milhão de hectares, ante 1,16 milhão registrado no levantamento do mês de abril. Caso essa estimativa se confirme, será um aumento de 4% sobre a safra anterior, com potencial para gerar uma produção de 3,8 milhões de toneladas, 22% superior. Neste período, as geadas não prejudicam a cultura do trigo.

No momento, 92% das lavouras estão em boas condições e 8% em condições médias, mas existem diferenças entre algumas regiões.

Em maio, a saca de 60 kg de trigo foi comercializada, em média, por R$ 85,85. Em abril deste ano, os produtores receberam R$ 87,27. Os preços praticados atualmente são cerca de 43% superiores à média de maio de 2020, de R$ 60,13.

SOJA – O volume de soja esperado para a atual safra é de 19,8 milhões de toneladas, 5% menor do que na safra 2019/2020, situação decorrente da seca e do atraso no plantio. A quebra de 800 mil toneladas é compensada pelos preços, segundo o economista do Deral Marcelo Garrido. Em maio, a saca de 60 kg de soja foi comercializada, em média, por R$ 159,74, valor bastante próximo do praticado em abril. Na comparação com maio do ano passado, por outro lado, o crescimento é de 70%.

A área está estimada em 5,6 milhões de hectares, 2% maior comparativamente ao ciclo anterior. Aproximadamente 72% do produto está comercializado, índice menor do que o registrado no mesmo período do ano passado, de 83%, mas ainda assim considerado elevado para o momento.

SOJA SEGUNDA SAFRA – A projeção relativa à segunda safra de soja, destinada principalmente à produção de sementes, também foi afetada pela seca. Se, no começo do ciclo, esperava-se um volume de 110 mil toneladas, agora a expectativa está próxima a 95,8 mil toneladas. A área está estimada em 38,8 mil hectares, 2% menor.

LEIA MAIS

DESTAQUES