Números da geração de emprego no Paraná são os melhores dos últimos 18 anos

Desde 2004 os números da geração de emprego no Paraná não eram tão bons. O Estado fechou agosto com a abertura de 21.973 vagas formais, melhor resultado para o mês dos últimos 18 anos. O recorde também se repetiu no acumulado dos primeiros oito meses, que pela primeira vez desde o início da série histórica, passou a marca de 150 mil postos de trabalho, com um saldo de 153.696 empregos com carteira assinada.

Os dados foram levantados pelo Departamento do Trabalho e Estímulo à Geração de Renda da Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho (Sejuf), com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados na quarta-feira (29) pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

Quarto estado no País com o melhor resultado na geração de empregos, os bons números mostram uma tendência que vem se repetindo ao longo do ano no Paraná. O Estado teve o melhor trimestre, o melhor quadrimestre e o melhor semestre na abertura de vagas, além de atingir recordes sucessivos ao longo dos meses.

Brasil – A taxa de desemprego no Brasil recuou para 13,7% no trimestre encerrado em julho, informou nesta quinta-feira (30) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A redução da taxa foi possível graças ao aumento no número de pessoas ocupadas. Segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, houve melhora no emprego formal e também na geração de postos de trabalho informais.

Pela primeira vez desde abril de 2020, quando a pandemia tinha acabado de começar, mais da metade da população em idade para trabalhar tem algum tipo de ocupação.

Na comparação com o trimestre até abril, 3,1 milhões de trabalhadores conseguiram alguma ocupação, um avanço percentual de 3,6%. Apesar da melhora, o Brasil ainda tem 14,1 milhões de pessoas em busca de algum tipo de trabalho.

O resultado do trimestre até julho ficou um pouco melhor do que o esperado pelo mercado. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam taxa de 13,9% entre maio e julho.

LEIA MAIS

DESTAQUES