Projeto da Nova Ferroeste avança e ganha corpo no Oeste paranaense

O projeto da Nova Ferroeste ganha, a cada dia, novos capítulos que ajudam essa história a avançar. Na última semana, em Toledo, foi realizada uma reunião de trabalho com prefeitos e vereadores da região Oeste, além de lideranças sociais e empresariais. O objetivo destes encontros é apresentar os detalhes do projeto que pretende, além de fazer um corredor ferroviário entre Maracaju (MS) e Paranaguá, transformar o Paraná em um dos principais hubs logísticos ferroviários do País.

A agenda incluiu reunião com diretores da BRF e do Biopark, além de visita às obras do frigorífico da Frimesa. Com este contato constante, o Grupo de Trabalho responsável por conduzir o processo de desestatização da Ferroeste forma uma coalizão de esforços em torno de um dos projetos logísticos mais ousados do Brasil, de acordo com Luiz Henrique Fagundes, coordenador do Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário (GT Ferrovias).

BIOPARK – Primeiro Parque Tecnológico privado do Brasil para o desenvolvimento científico e tecnológico das biociências no modelo on demand side, desenvolvendo projetos de acordo com a demanda da sociedade, o Biopark também vai ter participação importante no projeto da Nova Ferroeste.

A próxima etapa desta parte do projeto é uma aproximação entre o Biopark e a Fundação Araucária, visando estruturar a modelagem de aplicação deste modelo de hub de inovação e capacitação, e a forma de incluir ele dentro do modelo de concessão.

CARNES – Com um crescente desenvolvimento no setor frigorífico e com a constante ampliação do alcance de mercado da produção paranaense, o Paraná fortalece cada vez mais a cadeia de frigoríficos. Dados da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar) apontam que no Estado existem 215 cooperativas, sendo que 60 são do ramo agropecuário. Ao todo, são 2 milhões de cooperados e o setor gera cerca de 100 mil empregos diretos em todo o Paraná.

A agenda desta semana incluiu uma reunião com diretores da BRF (Sadia) em Toledo, além de uma visita às obras do Frigorífico da Frimesa em Assis Chateaubriand. Luiz Henrique Fagundes destacou que o projeto da Nova Ferroeste vai dar uma vazão mais eficiente ao escoamento dessa produção, potencializando a geração de emprego e renda.

Está prevista para 2023 a inauguração do maior frigorífico de suínos da América Latina em Assis Chateaubriand, na Região Oeste. O complexo, com 147 mil metros quadrados de área construída, terá capacidade para abater 15 mil porcos diariamente, resultado de um investimento de R$ 2,5 bilhões. Serão 5,5 mil empregos diretos, que chegam a 8,5 mil quando contados os indiretos.

Segundo o secretário de Estado da Administração e Previdência, Marcel Micheletto, que acompanhou a visita à unidade da Frimesa, este é um setor muito importante da economia paranaense, que tem muito a ganhar com uma logística de qualidade.

FERROVIA – O projeto busca implementar o segundo maior corredor de transporte de grãos e contêineres do País, unindo dois dos principais polos exportadores do agronegócio brasileiro. Apenas a malha paulista teria capacidade maior.

Pelo planejamento, será construída uma estrada de ferro entre Maracaju, maior produtor de grãos do Mato Grosso do Sul, até Cascavel, no Oeste Paranaense. De lá, o trem segue pelo atual traçado da Ferroeste com destino a Guarapuava – os 246 quilômetros de ferrovias atuais serão modernizados –, até se ligar a uma nova ferrovia que vai da região Central do Estado ao Porto de Paranaguá, cortando a Serra do Mar. Há previsão, ainda, de um novo ramal entre Cascavel e Foz do Iguaçu.

A expectativa é que os estudos de viabilidade sejam finalizados em setembro e os estudos de impacto ambiental em novembro. Com isso, a ideia é colocar a ferrovia em leilão na Bolsa de Valores do Brasil (B3), com sede em São Paulo, logo na sequência. O consórcio que vencer a concorrência será também responsável pelas obras. O investimento estimado é de R$ 20 bilhões.

LEIA MAIS

DESTAQUES