Segunda etapa de vacina contra gripe iniciou dia 11/05/2021 em Palotina

A rede pública de Saúde iniciou ainda no mês de abril a campanha nacional de vacinação contra a gripe, que previne a contaminação contra o vírus Influenza. De acordo com dados do Ministério da Saúde, em 2020 foram notificadas 2.150 hospitalizações por SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave), sendo o vírus Influenza um dos principais causadores desta complicação.

A Secretaria Municipal de Saúde informou alguns grupos prioritários para a vacinação em especial os idosos e trabalhadores de saúde.

Confira o público-alvo da campanha deste ano:

  • Crianças entre 6 meses e menores de 6 anos (5 anos, 11 meses e 29 dias);
  • Gestantes e puérperas;
  • Povos indígenas;
  • Trabalhadores da saúde;
  • Idosos com 60 anos ou mais;
  • Professores das escolas públicas e privadas;
  • Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais;
  • Pessoas com deficiência permanente;
  • Forças de segurança e salvamento;
  • Forças Armadas;
  • Caminhoneiros;
  • Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso;
  • Trabalhadores portuários;
  • Funcionários do sistema prisional;
  • Adolescentes e jovens entre 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
  • População privada de liberdade.

O calendário da campanha foi dividido em três etapas:

  • 1ª etapa – de 12/04 a 10/05: crianças, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde;
  • 2ª etapa – de 11/05 a 08/06: idosos e professores;
  • 3ª etapa – de 09/06 a 09/07: demais grupos.

Iniciou ontem (11/05), a segunda etapa da vacinação, sendo o grupo prioritário: idosos e professores.

Importante ressaltarmos a importância de tomar a vacina evitando assim, em meio a uma grande epidemia do Covid-19, a contaminação com outro vírus potencialmente perigoso para a saúde, que é o Influenza. Estar imunizado também reduz os casos gripais em que há a necessidade de cuidados intensivos, aumentando a disponibilidade de leitos justamente em um momento em que os hospitais e clínicas encontram-se em colapso por conta da alta demanda de pacientes graves de Covid-19.

LEIA MAIS

DESTAQUES