Cristo, luz dos povos, ensina-nos o caminho da Paz!

Iniciamos um ano novo com nossas esperanças renovadas. Deus caminha conosco e nos convida a fazer um caminho diferente seguindo os passos de Jesus na alegria e na fé. Hoje celebramos a festa da Epifania, Jesus se manifesta ao mundo inteiro como possibilidade de salvação.

Os reis magos, vindos do Oriente, querem conhecer o Cristo, o Messias para adorá-lo. Sua fé é simples, precisam percorrer um longo caminho. Eles se tornam símbolo de toda a humanidade de boa vontade: perguntam, buscam, caminham porque buscam o Senhor, alguém que dê sentido a suas vidas.

Devemos realizar em nós o Cristo da Epifania, o Cristo que é dado a todos os povos. A graça de sua manifestação deve estar a serviço de todos. “Judeus e gregos, escravos e livres, homem e mulheres, todos são chamados a formar um único corpo em Cristo”. A epifania é o início da revelação deste mistério, já anunciado pelos profetas, que agora é revelado plenamente. A ressurreição de Cristo e a vinda do Espírito Santo são dados em plenitude à Igreja, para que ela ofereça a todas nações. Esta é missão da Igreja: revelar Cristo a todos os povos. A Igreja confia esta missão a todos os batizados: “Ide pelo mundo, pregai o Evangelho a toda criatura”.

Os magos representam todos os povos da terra que esperam ansiosamente a chegada do Salvador. Eles buscam e estão atentos aos sinais da chegada do Messias. Não são acomodados, saem de sua terra procurando com esperança e seguindo o sinal que Deus coloca diante deles. Reconhecem o Salvador na fragilidade de uma criança, Jesus, Deus-salva, e o aceitam e o reverenciam com presentes. A salvação rejeitada pelos habitantes de Jerusalém torna-se agora um dom que Deus oferece a todos que o buscam sem cessar.

Podemos notar a referência a uma estrela, sinal de Deus, que apareceu no céu e que conduziu os magos até Belém. Nesta catequese sobre Jesus, o evangelista Mateus apresenta Jesus como o Messias esperando por todos aqueles que têm esperança e denuncia os que rejeitam Deus e seu projeto salvador. O Povo de Israel rejeita Jesus, enquanto os “magos” do oriente (que são pagãos) o adoram; Herodes e Jerusalém “ficam perturbados” diante da notícia do nascimento do menino e planejam a sua morte, enquanto os pagãos sentem uma grande alegria e reconhecem em Jesus o seu salvador.

Mateus preanuncia, desta forma, que diante de Jesus haverá reações diversas, que vão desde a adoração (os magos), até a rejeição total (Herodes), passando pela indiferença (os sacerdotes e os escribas: nenhum deles se preocupou em ir ao encontro desse Messias que eles conheciam bem dos textos sagrados). Os magos, orientados pela estrela e, atentos ao que acontece ao seu redor, buscam o Salvador. Seguindo a estrela eles encontram Deus encarnado. A inclinação diante do menino é o ato de reconhecimento e submissão ao Rei, não somente dos judeus, mas de toda a terra.

Quem faz a experiência do encontro com Jesus não pode ser o mesmo. Os reis magos retomam o caminho para casa por uma estrada diferente. Não querem mais passar pela estrada da morte onde está Herodes. Eles têm uma nova opção porque encontraram o Deus da vida e não querem colocar a vida do menino em perigo. Tornam-se discípulos missionários. Os magos na troca de presentes ganharam o Verbo de Deus presente no meio de nós e agora podem levar ao mundo a luz que ilumina e aproxima os corações e produz alegria.

Dom João Carlos Seneme, css

Bispo de Toledo

LEIA MAIS

DESTAQUES